Mais de 350 milhões de pessoas ao redor do mundo sofrem com o diabetes. Enquanto o tipo 1 acomete majoritariamente os jovens, o tipo 2 fica restrito àqueles que já passaram dos 40 anos.

Porém, nos últimos anos, com o desenvolvimento da obesidade infantil, esse cenário mudou. O diabetes tipo 2 deixou de ser exclusividade dos mais velhos e passou a ser frequentemente diagnosticado nas crianças e adolescentes devido ao maior acúmulo de gordura apresentada por pessoas nessa fase da vida.

Isso não passou despercebido pelos membros da Academia Americana de Pediatria e, recentemente, a entidade lançou a primeira diretriz para o tratamento da doença em crianças e adolescentes.

Nos Estados Unidos, berço do manual, a cada três casos de diabete diagnosticados na mocidade, um é do tipo 2.

No Brasil, os dados não são tão alarmantes como dos pequenos americanos. Porém, cada vez mais, nossos pequenos seguem os modismos alimentares e, ao que tudo indica, em breve as estatísticas brasileiras se aproximarão das americanas. A prova vem do Instituto da Criança com Diabetes, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Há uma década, não víamos o diabete tipo 2 na infância e adolescência. Hoje, entre os 2 500 jovens da instituição, 80 têm essa condição.

O primeiro passo para flagrar o problema na juventude é ficar atento a um de seus principais desencadeadores: o sobrepeso.

Mantenha uma alimentação equilibrada e saudável desde o nascimento do seu filho. Incentive-o a praticar atividades físicas e mantenha uma conversa franca e frequente com o pediadra!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *